©
A detachment !
One detachment !
Pratique o desapego, garota. Vá se desapegando. Se desapegue das lembranças que não te fazem bem, das magoas, das pessoas que já se desapegaram de você.
‎A ordem é desapegar… não forçar a barra, sem dependências… sem criar situações! Deixar o rio seguir o seu curso, se não é pra ser, não será e ponto! As coisas só acontecem quando tem que acontecer, trabalhar isso e aceitar é difícil, mas a sensação de superação combate a dor da incerteza.
Pois estar com você, me faz bem. Eu jamais quero lhe perder. Quero passar noites ao seu lado, acordar com seu bom dia pela manhã e ter seu corpo junto ao meu a noite. Amor, não vá. Tenho tanto a lhe falar que não há palavras para descrever. Fique, permaneça, se aconchegue e me dê seu amor por inteiro.
- Vitória Fortunato.  (via capacitadora)
Sabe, Deus, eu nunca fui a melhor pessoa do mundo, nunca fui um exemplo a ser seguido e tão pouco uma pessoa que exala admiração por onde passa. Tenho meus desejos e às vezes penso ser a pessoa mais louca do mundo, no entanto, têm vezes que o mundo é quem parece ser louco demais. Eu já pensei em ser médico, advogado, arquiteto e até astronauta. Já desejei viajar o mundo e até já pensei em fugir de casa. Nunca gostei do exagerado, do que geralmente é muito falado, mas de fato, não é feito. Sempre fui contra aos que amam demais, contudo, sempre gostei de amor; de amar. Já amei. Amo, amarei, talvez. Aprendi que não importa o quanto amamos alguém, esse amor nunca vai ser suficiente (para ambos). Aprendi que por mais triste que seja gostar sozinho, não gostar de ninguém chega a ser pior ainda. Eu não sou a melhor pessoa do mundo, entretanto, fazer de tudo para não estar entre os piores já me faz melhor que boa parte dele.
-

Marcos Filipe.

(via reclinado)
Oi, mãe. Não precisa se assustar, isso não é uma carta de despedida e muito menos avisando que fui assassinado. Mas só queria te dizer que morri. Morri quando eu precisava desabafar com você, mas seus problemas eram maiores que eu, então resolvi deixar pra lá. De lado. Morri das inúmeras vezes que me senti vazio e que nunca pôde contar com suas palavras de incentivo. Morri quando tirei nota baixa na prova, mas que não sabia como te contar, porque sempre soube que você não iria aceitar. “Você não trabalha, não tem dívidas, não paga embasa, então você tem o direito de passar”. É isso que você sempre dizia. Sem ao menos ligar se isso me atingia ou não. Mas eu te entendo. Você é mãe. Morri quando eu quis assistir aquele filme que tava em últimas semanas no cinema, mas que nunca fez questão de me levar. Morri quando queria chegar pra dizer que te amo e simplesmente nunca soube como te acalmar. Quando eu quis te abraçar, beijar teu rosto e até mesmo te apertar. Morri de tanto você falar o que eu não precisava ouvir. Merecia, não minto. Mas não precisava. Morri quando eu pegava todas suas dores pra mim. Morri de tanto te ver chorar pelo pai. Acabei morrendo tentando viver. Morri. Por você.
- M Kawan. (via capacitadora)
Há algo agradável nas tempestades que interrompem a rotina. A neve ou a chuva gélida nos liberam subitamente das expectativas, das exigências de resultados e da tirania dos compromissos e dos horários. Ao contrário da doença, esta é uma experiência mais coletiva do que individual. Quase podemos ouvir um suspiro de alívio erguer-se em uníssono na cidade próxima e no campo, onde a natureza interveio para dar uma folga aos exaustos seres humanos. Todos os afetados pela tempestade são unidos por uma desculpa mútua. De súbito e inesperadamente o coração fica um pouco mais leve. Não serão necessárias desculpas por não comparecer a algum compromisso. Todos entendem e compartilham a mesma justificativa, e a retirada súbita de qualquer pressão alegra a alma. É claro que as tempestades também interrompem negócios, e, embora umas poucas empresas tenham um ganho extra, outras perdem dinheiro – o que significa que existem os que não sentem júbilo quando tudo fecha temporariamente. Mas é impossível culpar alguém pela perda de produção ou por não conseguir chegar ao escritório. Mesmo que a situação só dure um ou dois dias, de algum modo cada pessoa se sente dona do seu mundo simplesmente porque aquelas gotinhas de água congelam ao bater no chão. Até as atividades comuns se tornam extraordinárias. Ações rotineiras se transformam em aventuras e freqüentemente são vivenciadas com maior clareza.
- A Cabana. (via reclinado)
Bebi de novo, até que esse negocio não é tão ruim, dessa vez foi conhaque, é assim que se escreve? Mas é mentira que falam por ai que temos que beber pra não morre de saudade, to aqui caindo da cadeira e to lembrando de ti ainda, que merda isso. Meu pai vai querer me matar ao me ver assim, mais foda-se nada mais importa desde o dia que você se foi. Eu to ficando sem forças só pra te lembra, cada dia que passa meu corpo morre mais. Três dias seguidos, bebendo e sangrando, é garota, to sem força até de levantar. Tudo bem, tudo acaba, até porque e eu não sou um imortal, era pra ser uma piada isso, mas to sem senso de humor, se meu português estiver errado ignore, já tentou escrever um texto quando se bebe? Não é uma coisa muito fácil de fazer, assim como ter que continuar a vida sem você, alias nada facil. Minha cabeça ta explodindo e cá entre nós bem que ela podia faze isso, seria um alivio tão grande. Estou ouvindo “trouble - cold play” não sei sobre o que ela fala, mais estou viajando na batida dela, assim como costumava viajar quando deitava em seu colo, enquanto ouvia as batidas do seu coração ritmados ao meu. Eu não quero viver aqui, nessa merda de realidade que é uma droga, onde você não é minha, onde nada anda dando certo pra mim, onde eu perco pessoas que amo em fração de segundo, eu prefiro ficar lá, lá nos meus sonhos onde você sempre está comigo, lá eu sou feliz. Me entende? Quero ser feliz.
- Rafael (via capacitadora)
Será que fiquei desapontada quando você disse tchau para mim? Não muito. É difícil ficar desapontada quando algo que você já estava esperando se torna realidade.
- Os 13 Porquês.  (via cchapterfour)
Você fuma? Diz que fuma, por favor. Eu tenho alergia. Tô tentando te estragar um pouco aqui antes de entrar nessa de cabeça. Exijo umas falhas tuas pra botar a insegurança em jogo. Quem sabe eu até desista antes de tentar. Mas você não tem cara de tragar todas essas substâncias garganta adentro. Tem cara de quem engole o choro. Destemida. Queria que você temesse tanto alguma coisa que fosse mais real perto de mim. Calma lá! Não é medo de comparação. Deve ter alguma aversão bacana que te faz pior que as outras pessoas. Se não tiver, eu invento, sei lá. Tô precisando mesmo achar alguma coisa estranha em alguma boa pessoa pra poder me projetar de novo dela.
Quero planejar um campo minado de pequenas explosões tuas pra eu já ir preparando o meu peito pra aguentar a angústia de um grande amor perdido. Pra dizer que eu já sabia desde o início e que o meu pé atrás tava ali pra me avisar que cair de cabeça é o mesmo que se afundar. Coração em carne viva. Fratura exposta da fragilidade. Fica em cima do muro e não olha pra baixo de jeito nenhum. Porque eu vou ter mais medo de dar de cara contigo – se o olhar for sincero – do que de cair de alguma altura qualquer. Me diz o teu signo que eu vejo se a gente combina ou não. Vai ser papo pro primeiro encontro e pra primeira discussão. Na banca de jornais, um aviso sobre mim no seu horóscopo: ele é de lua, moça. Cuidado com a natureza contraditória do sentimento dele. Ele diz que quer ir embora enquanto grita com os olhos que ficaria por você. Mas tem um medo danado de admitir isso pra si mesmo. Rei da autossabotagem, moça. É bonito pra literatura e preocupante pra encontros marcados com datas regulares em dias úteis. Ele é de lua e vai inventar um monte de motivos pra cada fase dele – e pra não ter que encarar que gosta mesmo de você. Vai reinventar os Astros pra justificar que não era pra ser. Talvez não desse pra ser mesmo. Talvez fosse destino. Talvez eu só seja de lua. E não queira admitir o meu pavor em me ver feliz com você. Numa rua movimentada. Cobrindo o rosto com as mãos pra espantar o rubor. Querendo congelar aquele momento pra viver nele pra sempre. Ignorando todo e qualquer defeito – real ou inventado – que se projetasse na minha frente… Mas diz: cê fuma?
- Daniel Bovolento. (via memorias-de-uma-julieta)
Mas você não me atura triste, você não aguenta meu mau humor, não sabe lidar com a minha tpm, você não suporta minha carência, você não entende minha insegurança. Isso tudo porque você se apaixonou pela garota alegre, que fala com todo mundo, que é simpática com todo mundo, sempre de bem com a vida, que sempre aparecia segura, sem vergonha de falar o que pensa, mas eu não sou assim, não de verdade, você não entende, você não me entende, você se apaixonou por uma garota que não existe, isso é tão triste, eu pensei que você era diferente, do tipo que consegue enxergar além, além de tudo que eu aparentava ser, eu estava enganada, tão iludida com a possibilidade de ter alguém que me entendesse.
- Emotizar. (via reverenciador)
Esqueça as palavras difíceis, os textos imensos e com frases ilógicas, os “poréns” dos quais me encho sem ter afirmado nada anteriormente e as aventuras que passo sem sair da minha cama. Esqueça a minha complexidade, pois hoje eu despertei com um gosto simples na boca, um gosto de vida, embora eu ainda esteja descobrindo o que significa metade da vida. Esqueça que eu me complico. Eu estou esquecendo de complicar.
- Camila Costa. (via reclinado)